Assistimos a: Animais Fantásticos e Onde Habitam

Título Original: Fantastic Beasts and Where to Find Them

Duração: 133 minutos

Ano de Lançamento: 2016

Diretor: David Yates

País: Estados Unidos

Em 1926, o bruxo Newt Scamander (Eddie Redmayne) chega à cidade de Nova York após um ano de pesquisas com criaturas mágicas ao redor do mundo, portando uma maleta curiosa. Enquanto anda pela cidade, Newt encontra Mary Lou Barebone (Samantha Morton), líder de um grupo de indivíduos que acredita que bruxas vivem entre os mortais, causando caos e destruição. Enquanto o britânico observa o discurso acalorado da trouxa, o seu Pelúcio escapa da maleta e foge para dentro do banco, e o bruxo dispara atrás da criaturinha que adora coisas brilhantes.

Entrando no banco, Newt sem querer embarca em uma aventura inesperada que vai levá-lo através do mundo bruxo de Nova York, ao lado de Jacob Kowalski (Dan Fogler), Tina (Katherine Waterston) e Queenie Goldstein (Alison Sudol), encontrando inimigos a cada canto conforme as criaturas mágicas escapam da maleta defeituosa, bem no meio de uma das maiores crises que os bruxos jamais enfrentaram, com a existência dos bruxos prestes a ser revelada para os no-majs (não-mágicos, termo que os bruxos americanos usam).


O primeiro filme da nova saga de cinco filmes, originalmente uma trilogia, Animais Fantásticos e Onde Habitam se apresenta como um filme de comédia inocente, com o protagonista atrapalhando Newt perdendo suas criaturas mágicas no meio de Nova York. Porém o início do filme, mostrando os jornais do mundo a respeito da caçada a Gerardo Grindelwald (Johnny Depp), um bruxo poderoso obcecado com as Relíquias da Morte que deseja instaurar uma nova ordem mundial, revela o verdadeiro tom do filme e das sequências futuras.

A trama, desenvolvida por J.K. Rowling, é tecida com muito cuidado, envolvendo dois lados da história: o encantamento pelas criaturas mágicas e a aventura de Newt para recuperá-las e o perigo de Grindelwald e dos seguidores de Nova Salem, que ameaçam os bruxos. O final do filme deixa claro ser apenas o final de um capítulo, preparando o espaço para as continuações e as outras histórias.

Os efeitos visuais são espetaculares, em especial a criação das criaturas mágicas que nos são apresentadas. Baseadas em animais reais do nosso mundo, os seres mágicos são muito realistas, com características de criaturas que conhecemos misturadas em uma espécie nova e maravilhosa. A atenção aos detalhes é incrível, com os menores traços feitos com atenção para montar o mundo fantástico.

A expansão do universo mágico de Harry Potter é sensacional para os fãs, mostrando o mundo bruxo dos EUA no pós-Primeira Guerra, com a Lei Seca e a crise caindo sobre os EUA. O Congresso Mágico dos Estados Unidos (MACUSA) enfrenta os perigos cada vez maiores da exposição ao mundo dos no-majs, e percebemos onde os traços mundanos se entrelaçam com os mágicos, seja nas roupas, na arquitetura ou até mesmo em cada personagem.

A menção da Primeira Guerra, com Newt tendo servido no Front Oriental trabalhando com dragões, mostra também a ligação entre o mundo trouxa e mágico, e, sabendo o avanço dos anos para os filmes seguintes, veremos o envolvimento dos bruxos através da história real, e só podemos imaginar como eles se envolveram nas catástrofes da Segunda Guerra Mundial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *